Pílula anticoncepcional: benefícios, riscos e funcionamentos

Author

Categories

Share


iStock

Por Karyne Santiago
                               
Em 30.04.21

Utilizadas por milhares de pessoas, a pílula anticoncepcional é um dos principais métodos contraceptivos. Composta, na maioria das vezes, pela combinação dos hormônios estrogênio e progesterona, a pílula age diretamente no sistema reprodutivo feminino, diminuindo as chances de uma gravidez. Para esclarecer algumas dúvidas sobre o assunto, conversamos com as ginecologistas e obstetras Maria Wyramara (CRM 22346 | RQE 9548) e Juliana Ribeiro (CRM 152931 | RQE 70719). Confira!

Continua após o anúncio

Como funciona a pílula anticoncepcional

Como dito na chamada da matéria, a pílula anticoncepcional é um medicamento que tem sua ação com foco nos hormônios do sistema reprodutor feminino, impedindo uma ovulação.

Para uma melhor compreensão, a doutora Maria explica que “o ciclo menstrual inicia a partir do primeiro dia da menstruação, e vai até o último dia que antecede a próxima menstruação. Por volta do meio do ciclo menstrual, ocorre a ovulação, que nada mais é que a liberação do óvulo através do ovário, esse óvulo é capturado pela trompa e pode ser fecundado pelo espermatozoide, dando início ao processo de gestação”. Deste modo, a pílula “interfere nos hormônios que regulam o ciclo menstrual, bloqueando a ovulação”, complementa a doutora Juliana.

Em relação à eficácia deste método contraceptivo, a médica Juliana afirma ainda que se o uso do medicamento possuir variação nos horários ou esquecimentos, seu êxito será afetado, podendo ocorrer de “7 a 8 casos de falha para cada 100 usuárias por ano”.

Em contrapartida, a ginecologista Maria conta, que se usado corretamente, a eficácia da pílula aumenta, chegando a ter apenas 0,3% de chances de falha. “Explicando melhor esse valor em números, em 1 ano, a cada 1000 mulheres que utilizam anticoncepcional oral, da forma correta, 3 podem engravidar”, afirma a doutora.

Como escolher o melhor anticoncepcional

Perguntamos para as profissionais qual a melhor pílula anticoncepcional a ser usada, ambas foram categóricas em afirmar que não existe um medicamento melhor. “Não existe o melhor anticoncepcional. Existe aquele que mais se adéqua às necessidades da mulher durante aquele período da vida, e isso pode mudar ao longo do tempo”, afirmou Juliana.

Contribuindo a este pensamento, Maria explicou “é como um jeans, todos são feitos basicamente com o mesmo tipo de tecido, mas não existe um jeans perfeito que se adéque a qualquer tipo de corpo. A adequação, vai depender do biotipo de cada mulher”.

Dúvidas sobre a pílula anticoncepcional

iStock

Utilizado por diversas mulheres, e com composições distintas, muitas dúvidas surgem acerca da pílula anticoncepcional, mesmo para quem já faz uso há algum tempo. Por isso, solicitamos a ajuda das especialistas para responder às principais dúvidas. Veja a seguir:

Continua após o anúncio

Qual o jeito correto de tomar a pílula anticoncepcional?

Maria Wyramara (MW): a primeira cartela anticoncepcional deve ser iniciada, preferencialmente, no primeiro, segundo ou terceiro dia da menstruação. É indicado que o uso seja feito diariamente, sempre no mesmo horário, para ter uma boa eficácia.

A pílula anticoncepcional engorda?

Juliana Ribeiro (JR) : a pílula anticoncepcional não engorda. Contudo, há um aumento de peso, pouco significativo, que pode ser associado devido à retenção de líquido que o medicamento causa.

A pílula anticoncepcional previne contra doenças sexualmente transmissíveis (DST)?

MW e JR : O único contraceptivo que previne contra infecções sexualmente transmissíveis é a camisinha feminina ou masculina.

Depois de quanto tempo de uso a pílula anticoncepcional começa fazer efeito?

JR : o início da prevenção dependerá de quando a paciente iniciou o uso, por exemplo, se o início da pílula foi no primeiro dia do ciclo, ou seja, no primeiro dia da menstruação, tem-se eficácia desde o primeiro comprimido.

MW : a pílula anticoncepcional quando iniciada a partir do primeiro dia da menstruação, apresenta boa eficácia contraceptiva a partir dos primeiros 15 dias de início da cartela anticoncepcional, mas como o medicamento está sujeito ao organismo de cada mulher, consulte o seu médico.

O que acontece quando a mulher esquece de tomar a pílula anticoncepcional?

Continua após o anúncio

MW e JR : Esquecer de tomar um comprimido pode acarretar falhas na eficácia do medicamento. Dependendo do tempo de esquecimento, de qual comprimido foi esquecido, e de quantos comprimidos foram esquecidos, pode não haver o bloqueio da ovulação naquele ciclo, levando ao risco de uma gestação indesejada, ou seja, previna-se com outros métodos contraceptivos neste período.

É sempre bom manter-se informado sobre as substâncias que você ingere, principalmente quando se trata de medicamentos. Esperamos ter solucionado algumas dúvidas. Ainda assim, ressaltamos que uma avaliação com um especialista se faz necessária.

Tipos de pílula anticoncepcional

iStock

De acordo com as ginecologistas, as pílulas anticoncepcionais se dividem em dois tipos. Ambos os tipos previnem contra a gravidez, mas atuam no organismo de forma diferente. Veja abaixo:

Pílula anticoncepcional combinada

Segundo as médicas, a pílula combinada é composta pelos hormônios sintéticos de estrogênio e progesterona. A combinação ajuda no controle dos níveis hormonais femininos que causam a ovulação. Além disso, as pílulas combinadas se subdividem em pílulas monofásicas e multifásicas. As monofásicas possuem a mesma quantidade de hormônio em todos os comprimidos da cartela. Já as multifásicas, buscam reproduzir as variações hormonais ocorridas em cada fase do ciclo menstrual.

Pílula anticoncepcional de progesterona

Diferente das pílulas combinadas, o anticoncepcional de progesterona são possuí estrógeno em sua composição. O medicamento atua igualmente na prevenção da gravidez, e sua prescrição é feita para evitar os efeitos colaterais causados pelo estrogênio em algumas pessoas. Além disso, seu uso é estendido para lactantes, obesos e pessoas com risco de trombose. Geralmente, esse tipo de pílula possui uso contínuo, com cartelas de 28 comprimidos.

Independente do tipo, as vantagens da pílula anticoncepcional são diversas. Além de sua eficácia contraceptiva, ele “pode auxiliar no controle de sangramento uterino anormal, melhora de cólicas menstruais, redução de sintomas da tensão pré-menstrual (TPM). Melhora dos sintomas correlacionados com o hiperandrogenismo pela síndrome dos ovários micropolicísticos”, afirma a ginecologista Maria. Além disso, de acordo com a doutora Juliana, o medicamento também possui “facilidade de uso, rápido retorno à fertilidade, são amplamente disponíveis, podem melhorar a pele, acne, redução do fluxo, melhora cólicas, prevenção de câncer de endométrio e ovário”.

Contudo, assim como todo medicamento, a pílula anticoncepcional possui contraindicações. A doutora Juliana explica que possui “risco de eventos trombóticos, cardiovasculares ou doença hepática”. E Maria ressalta: “como qualquer outra medicação, possui várias contraindicações e possíveis efeitos colaterais”.

Para cada organismo haverá a pílula mais adequada, com menos efeitos colaterais e a quantidade adequada de hormônios. Por isso, consulte um ginecologista.

Experiências com pílula anticoncepcional

Existem muitas informações importantes a respeito da pílula anticoncepcional e, com certeza, as melhores pessoas para discutir o assunto, são aquelas que compreendem sobre ele. Por isso, os vídeos abaixo possuem algumas informações importantes. Assista a seguir:

Continua após o anúncio

O que as mulheres querem saber sobre o uso da pílula contraceptiva

Neste vídeo, a ginecologista e obstetra Débora Tonetti responde a algumas dúvidas relevantes sobre o uso deste método contraceptivo, utilizado por milhares de mulheres.

Funcionamento da pílula anticoncepcional

Especialista no tratamento de endometriose, o ginecologista Fernando Guastella explica como ocorre a ação da pílula no organismo feminino, revelando alguns benefícios e esclarecendo dúvidas.

Os maiores mitos da pílula anticoncepcional

Em seu canal dedicado a saúde da mulher, a doutora Laura Lucia explica sobre os maiores mitos que envolvem o uso da pílula anticoncepcional, revelando se são verdadeiros ou não.

Os impactos do uso contínuo da pílula anticoncepcional

O ginecologista e obstetra Igor Padovesi, formado pela USP, conta neste vídeo de seu canal, sobre os benefícios e riscos do uso contínuo da pílula contraceptiva.

Cada corpo é um corpo, e cada mulher é uma mulher. Procure sempre a opinião do seu médico para saber o que melhor se enquadra para a sua realidade e para o seu organismo. E se você gosta desse assunto, vai gostar de conferir também essa matéria sobre ciclo menstrual.

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.





Source link

Author

Share